Publicação em destaque

Algumas considerações sobre a visualização espontânea de auras

sábado, 7 de outubro de 2017

[Simbologia] Relógio

Imagem relacionada
Ampulheta

O relógio é um instrumento utilizado para medir a passagem do tempo, existindo, no decorrer da história da humanidade, diferentes mecanismos construídos para este fim.

Dentre esses mecanismos, o primeiro tipo de relógio provavelmente foi o de Sol, que se utilizava da medição da sombra de um gnomon para obter uma “hora do dia”. Os egípcios e babilónios, no século 16 a.C., já se utilizavam de relógios de água, a clepsidra, e de areia, a ampulheta para mensurarem um período de tempo. Outros mecanismos relativamente famosos são os que se utilizam do tempo da queima de velas ou azeite, a pressão do ar, a electricidade, pêndulos, as vibrações do cristal de quartzo e, mais contemporaneamente, os átomos nos relógios atómicos.

Como um instrumento de medição do tempo, o relógio é intimamente relacionado com este, inclusive no caráter simbólico, uma vez que pode ser considerado um símbolo direto do próprio tempo.

Por isso, entrando na simbologia do tempo, temos que Santo Agostinho considerava que este seria a “imagem móvel da imóvel eternidade”, que todo movimento toma forma circular, pois no momento em que se inscreve um começo e um fim, forma-se entre eles uma curva evolutiva, um ciclo, sendo a medida deste movimento o tempo.

Paul Ricoeur considera que uma narrativa só atinge seu pleno significado quanto existe temporalmente, sendo que, simultaneamente, o próprio tempo só se torna humano quando é articulado de um modo narrativo. Este pensamento cíclico significa que o tempo só é percebido humanamente quando inserido em um contexto narrativo ou como parte de uma narração, e, simultaneamente, a percepção da passagem do tempo é o que permite que uma narração e, consequentemente, a própria consciência humana, seja temporalmente localizada e exista. Em outras palavras, “todo tempo é uma história”.

O tempo é frequentemente representado por uma roda com um movimento giratório que descreve um ciclo, uma “roda da vida”, na qual o centro representa o aspecto imóvel, eterno e o que torna possível o movimento do universo, enquanto o passar do tempo ou os aspectos finitos são representados pelo restante da roda. Esta roda também contem nela mesma a oposição finitude x eternidade. Não é necessário ir muito longe para verificar a relação com o formato dos relógios e o significado de imutabilidade de possíveis símbolos no interior destes, em contrapartida à passagem constante do tempo.

Deste modo, voltando ao relógio, pode-se notar que este é, no sentido amplo, um símbolo do tempo e de todas suas características: símbolo do eterno e infinito, da finitude e efemeridade do universo e inclusive é, em si mesmo, uma narrativa.

Resultado de imagem para gnômon
Gnomom

Isso faz com que seja, assim como o deus do tempo Cronos, o devorador, aquele que, enquanto passa, inexoravelmente tudo devora, representa o fim, a morte, a irreversibilidade de tudo o que é feito e a impossibilidade de voltar atrás ou de parar o mundo. Os relógios baseados no consumo de um material ou que se utilizam da gravidade, dado a suas naturezas, enfatizam ainda mais este aspecto, por exemplo, no escorrer das areias até seu esgotamento, em uma ampulheta.

Ao mesmo tempo, o relógio representa a continuidade infinita e a eternidade dos ciclos, em especial quando são relógios sobre ciclos naturais como os solares, zodiacais e os astronomicos.

A manipulação de um relógio pode também pode simbolizar a própria manipulação do tempo e sua subversão ao ter seu horário alterado. A relação que é estabelecida com este se refere à situação subjetiva de uma pessoa com o tempo: um relógio parado pode representar uma vida estagnada, um relógio acelerado, agitação excessiva, dentre várias outras possibilidades.

Este também é um símbolo da civilização, da consciência e seu desenvolvimento. O ato de perceber e medir o tempo é tido como um divisor entre o homem e os animais, entre aquele que controla sua vida e aquele que se deixa levar pela natureza e desejos. De modo similar, simboliza também o controle consciente sobre as variáveis da vida, a racionalização, a busca de perfeição, aperfeiçoamento e refinamento cada vez maiores assim como algo com grande complexidade e precisão. O relógio de sol tinha uma grande importância na simbologia de muitas cidades antigas, sendo sempre colocado em seus centros.

Imagem relacionada
Clepsidra

A marcação precisa do tempo tem grande importância para a determinação da localização e da existência de algo em um momento, tendo importância crucial nas grandes navegações e no georreferenciamento de um modo geral.

Seu formato também tem relação com a sua simbologia, sendo um relógio quadrado algo que remete à terra e seus quatro cantos, um local no tempo, já relógios redondos podem ser simbolicamente mandalas e, mais especificamente, uma Ourobóros.

O sentido dos braços de um relógio, horário ou anti-horário, podem também simbolizar a progressão ou regressão, assim como a conformidade com uma tendência consciente, a passagem do tempo ou mesmo a oposição à isso. Na Bolívia, o relógio da Assembleia Legislativa Plurinacional, na praça de Murillo, em La Paz, gira no sentido anti-horário, simbolizando a “descolonização” e a recuperação da identidade do povo local.

Não é incomum o relato de que um relógio que tenha pertencido a uma pessoa pare no exato momento em que esta faleça.

Expressões típicas com relógio:

Correr contra o relógio: há pouco tempo ou pressa para algo.

Deu a corda [no relógio] nela: Está cheia de energia, recarregada.

É como um relógio: preciso, complexo.

Exemplo de uso simbólico do relógio:

“O mais feroz dos animais domésticos é o relógio de parede: conheço um que já devorou três gerações da minha família.”

Mario Quintana

Trova:

“Coração que bate-bate…

Antes deixes de bater!

Só num relógio é que as horas

Vão passando sem sofrer.”

Mario Quintana

“O tempo pode ser medido com a batidas de um relógio ou pode ser medido com as batidas do coração.”

Rubem Alves

Sem comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

copyscape

Protected by Copyscape

DUAS TÉCNICAS DE MEDITAÇÕES PASSIVAS - OSHO

Qigong

Sobre o Amor

Adam Kadmon

Meridianos MTC

Kundalini

viagem astral

Toroide - Energia Livre

Formas de Pensamento

A Grande Invocação

Aura - o que é?

Controlo da Mente

Vida ET


"Se não existe vida fora da Terra, então o universo é um grande desperdício de espaço."- Carl Sagan
Posted by Auras, Cores e Números on Sábado, 29 de agosto de 2015

Chakras

Deva Premal - playlist

Daiqing Tana - OM MANI PADME HUM