Colecções Auras G+

Colecções Auras G+
Curadora Sessenta e Quatro

Publicação em destaque

Algumas considerações sobre a visualização espontânea de auras

quinta-feira, 25 de abril de 2013

ContrastMary - Os meus pensamentos sobre a Cura



Ao ser convidada para escrever algo sobre a Cura, primeiro fiquei meio perdida e não sabia o que escrever e por onde começar.

"Curar" em alemão tem também o significado de "tornar algo inteiro de novo" e o que é que só podia ser feito de novo? Tem de ser algo que tenha sido quebrado em pedaços de antemão...

Por isso, vamos colocar desta forma: a cura é refazer algo totalmente de novo (uma espécie de reparação e remontar fragmentos quebrados em algo inteiro novamente de modo a formar um “Todo”).

Estes foram os meus primeiros pensamentos, o fio condutor da minha pesquisa para descobrir o que seria esse “Todo” primitivo, no que diz respeito à Cura.

Nesta reencarnação, sou uma europeia e é por isso que vou apenas considerar o que a Cura Europeia é como resultado dos últimos 2.000 anos e até um pouquinho mais para trás.

Ela remonta à crença herdada dos Tártaros e na sequencia de todos os povos Mongólicos da Sibéria que viviam no sopé da montanha Meru.
Lá viviam certos Seres das Estrelas que eram conhecidos pelo nome Tengri, Tengeri, Tänri, Tegri e outros semelhantes. A fonte de todas estas designações é o termo: "Tan" que significa Luz - Amanhecer - Nascente do dia.

Os povos Chinês, Turco e Mongólico tem uma palavra para "Céu e Deus", com Thian, Taegri, Tangri e também as tribos Indo-alemãs desenvolveram uma crença semelhante à dos povos da Sibéria e honraram, em determinados momentos, esta raça Celestial que vivia ao redor da montanha Meru.1




Estes "Celestiais por nome de Tangri" seriam os Protetores e Vigilantes de cada parte do sistema mundial - cada reino - reino e as pessoas e acima de tudo a cada ser humano.

Eles vivem em lugares remotos e inacessíveis florestas profundas.

Assim, quando no curso do êxodo em massa dos povos asiáticos, com os povos Mongólicos e os Tártaros que chegaram à Europa, tentando conquistar as planícies da Hungria e os reinos da Áustria trouxeram também suas crenças e rituais. Ou seja, todos os seus conhecimentos de cura natural e xamânica proveniente das chamadas "Pessoas Celestiais" vieram para a Europa fundindo-os nos métodos de cura natural já existentes dos povos Célticos e outros habitantes europeus comuns.



Desde o início da colonização alemã houve algo como um sistema dualista de cura aqui na Europa.
De um lado, havia o sistema de cura médica da alta sociedade dominante, via Grécia - Roma para a Europa - vamos chamá-lo de cura Médico Acadêmica, com todas as suas raízes no antigo ensino médico dos Sumérios, Egito, Povos Semitas, e Grécia.

Por outro lado, havia os métodos de cura passados de geração em geração dos povos comuns, curando-se com as plantas e outros métodos do conhecimento de seus antepassados e observando os ambientes naturais: o comportamento dos animais... Experimentando o uso médico de ervas e plantas, porque as pessoas comuns, que vivem uma vida simples, adquirem um conhecimento profundo e sábio de usar certos métodos de cura.

E a juntar a tudo isso, a crença espiritual também profundamente enraizada e conhecimento sábio dos Tártaros e raças Mongólicas no choque de Êxodo massivo quando chegaram à Europa.

Talvez estas sejam as raízes dos chamados "Sábios Humanos", frequentemente mulheres que saem da normalidade geral, com a sua sabedoria e conhecimento profundo de curar e aconselhar aqueles que vêm até elas para algum tipo de alívio e conselhos.

Assim c
omo a dualidade tinha aumentado tanto, acelerando para separar os seres humanos comuns dos de alegada origem aristocrática, a sua vida em unidade de acordo com as regras celestes de ser UM SÓ, os dois métodos de cura médica também se tornaram mais distantes e diferentes.

E quanto mais essa separação se processou - quanto mais o hábito de pensar com a metade esquerda de nosso cérebro - mais doenças e enfermidades prevaleceram na sociedade humana em todos os lugares.

Esta separação clara das regras puras e divinas da Vida, tornaram a vivência muito mais complicada e também miserável. E para muitas pessoas de todas as camadas da sociedade, a única maneira correta seria buscar secretamente o conselho de "mulheres sábias e de curandeiros", dado que as pessoas deixaram de saber como operava a cura através de plantas e ervas e também através de outros métodos.

Com a passagem dos séculos, os curadores eram mais respeitados e também mais temidos e como os seus métodos de cura não podiam ser explicados, foram fortemente contestados e mais tarde perseguidos pelas autoridades, dado que o seu modo de vida era pouco tradicional e o seu comportamento imprevisível. Para se protegerem, cada vez viviam mais em áreas bastante inacessíveis, como as florestas, por exemplo.

Assim, os antigos "mulheres sábias e curandeiros" de alto renome foram chamados de "bruxas" e “bruxos”, que finalmente levou a processos da inquisição da Igreja Católica, aprovados pelo governo mundano que tiveram como consequência as fogueiras, onde se queimavam vivos estes homens e mulheres.

Pessoalmente é doloroso para mim tocar neste assunto, mesmo por escrito... Eu ainda não sei ao certo, mas sinto que de alguma forma, fui atraída para este círculo em encarnações passadas.
  
  
Diz-se que através dos nossos genes este conhecimento pode, por vezes, tornar-se patente em certos seres humanos que não se enquadram na norma geral... E desde o meu avô, que estudou Farmácia e da nossa família viveu desde aproximadamente 1750, numa pequena cidade da Prússia Oriental, conhecida pelo seu nome alemão "Heilsberg", que significa "Montanha de cura" e agora é "Lidzbark Waminski". Esta palavra, segundo o que que me foi dito, não é de maneira nenhuma um termo polaco - não há provas, mas pelo menos, existem especulações sobre a minha herança genética.



Porquê, sendo eu uma criança de oito anos, pegava em certas ervas e esfregava-as em algumas feridas, quando me magoava? Porque é que me abstive de visitar um médico por mais de 12 anos?

Um dos meus sobrinhos netos disse-me uma vez: "Você sabe - nós somos um pouco de uma família mística - tendo vivido e se casando entre si, há alguns séculos nesta pequena cidade, cercada por uma bela paisagem e ofuscada por uma única grande colina (montanha?) em forma de cone (como uma pirâmide) e somos todos feitos por nosso amado Criador para viver uma vida saudável. Então, quando estamos doentes ou não nos sentimos bem - há um sentido Divino nisso e não há necessidade correr para um médico imediatamente ... a menos que seja um caso grave.”

Para mim, a cura é tornar algo de novo inteiro - pelo menos, da nossa maneira tentamos abordar a Totalidade novamente.
2





Santa Hildegard de Bingen no século XII, ao contrário da crença comum, não construiu o seu sistema de cura médica entre as pessoas comuns, foi-lhe revelado por uma experiência divina, uma visão de uma fonte Angélica ou Divina:

www.hildegardvonbingen.de/

Algumas de suas regras para uma vida correta são:

-Uma alimentação saudável
- Aplicações naturais
- Boas regras de vida
- Levando uma vida religiosa
- Seguindo as Leis Divinas da Natureza e Cósmicas
- Fazer uso de poderes de cura das ervas e pedras preciosas.

Em Alemão:




Em Português:






 


"E sucedeu no 1141º ano da encarnação de Jesus Cristo, Filho de Deus, quando eu tinha quarenta e dois anos e sete meses, que os céus se abriram e uma luz ofuscante de excepcional fulgor fluiu para dentro de meu cérebro. E então ela incendiou todo o meu coração e peito como uma chama, não queimando, mas aquecendo… e subitamente entendi o significado das exposições dos livros, ou seja, dos Salmos, dos Evangelhos e dos outros livros católicos do Velho e Novo Testamentos".

Esta é apenas uma curta exposição minha, sobre um grande tema. Escrevi apenas, o que são os meus próprios pensamentos sobre a cura e não entrei muito em detalhes.

Finalmente, algumas frases muito verdadeiras, com as quais eu gostaria de acabar com este artigo:

A cura não é um processo durante a noite,
é a limpeza diária da dor,
é a cura diária da vida.
(Leon Brown)

e posso acrescentar a isso:
é nosso retorno humano ao Todo do Universo ....


Escrito na calada da noite, no meu 79º aniversário, tenho 78 anos de idade hoje e este é o meu próprio presente de aniversário, que eu estou dando a mim mesmo.

Bênçãos para todos que estão no nosso Mundo e muita gratidão a Gaia Sophia a qual que é a mais amada por mim...


ContrastMary
24 de abril de 2013

1Nota: Meru, etimologicamente vem de Mer que em certas línguas medio orientais (semitas) significa Luz. Existe ainda um monte Meru na Tanzânia e no Tibete: https://es.wikipedia.org/wiki/Meru

2O termo Yoga também significa religar ou seja voltar a juntar o que estava separado e muitas das medicinas orientais como a Tibetana e a Ayurveda tratam o indivíduo holisticamente.


Traduzido e adaptado por Curadora 64
25 de abril de 2013
Happy birthday my dear friend. :))

Copyright © ContraMary  All Rights Reserved. You may copy and redistribute this material so long as you do not alter it in any way, the content remains complete, and you include this copyright notice link:

http://contramarygarden.blogspot.com/2013/04/my-very-own-thoughts-about-healing.html

2 comentários:

dharma dhannyael disse...

bom dia Lindo texto, muito bom, o procura "curar" no outro, uma parte de si mesmo. muito grata dharmadhannya

curadora64 disse...

Eu também gostei muito...é da minha amiga (Contra)Mary...

Obrigada querida Dharma pelos seus comentários.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

copyscape

Protected by Copyscape

Adam Kadmon

Meridianos MTC

Kundalini

Toroide - Energia Livre

Formas de Pensamento

A Grande Invocação

Meditação pela Paz

Meditação fora do espaço e tempo (a qualquer hora e em qualquer lugar, sem inscrições nem regras)Apelo ao envio de Luz...

Posted by Auras, Cores e Números on Sábado, 11 de Julho de 2015

Aura - o que é?

Controlo da Mente

Vida ET


"Se não existe vida fora da Terra, então o universo é um grande desperdício de espaço."- Carl Sagan
Posted by Auras, Cores e Números on Sábado, 29 de agosto de 2015

Chakras

Deva Premal - playlist